MP quer que Shell pague R$900 mil após contaminação do Valor

Publicado em 20/02/2013 às 15h06

Ainda não houve acordo entre as empresas Shell, Basf e os ex-trabalhadores que foram contaminadas por substâncias cancerígenas, entre 1974 e 2002, numa fábrica de pesticidas, em Paulínia, no interior de São Paulo. Hoje, o Ministério Público do Trabalho propôs o pagamento de 90% do valor estipulado em decisões na 1ª e na 2ª instância da Justiça Trabalhista, que foi de aproximadamente R$ 1 bilhão.

TST adia acordo entre Shell e trabalhadores contaminados em SP
Indenização a operários da Shell contaminados pode chegar a R$ 52 mi
Justiça manda Shell e Basf depositarem R$ 1 bi para indenizações
Cetesb aplica multa à Shell por contaminação em Paulínia
Shell é alvo de ações no valor de R$ 20 milhões por contaminação
No último dia 14, as empresas propuseram pagar os custos de tratamento de saúde das pessoas que foram contaminadas, além de indenização por grupo familiar, que, na média, ficaria em R$ 120 mil. Elas querem criar um fundo com gestão independente para liberar os valores aos trabalhadores e aos seus dependentes.
Ao todo, as companhias iriam pagar R$ 52 milhões às famílias. Essa proposta foi considerada insuficiente por representantes das vítimas na reunião de hoje no Ministério Público, em Brasília.
O TST (Tribunal Superior do Trabalho) vai fazer mais duas audiências de conciliação entre as partes nos dias 28 de fevereiro e 4 de março.

Categoria: 2013

voltar para Notícias

left show normalcase tsN fwB|tsN fwR uppercase left show|show fwR uppercase tsN left|bnull|||news login fwB tsN fwR tsY c05|normalcase fsN fwR c05|b01 c05 bsd|login news normalcase fwR c05|c05 fwR tsN uppercase|b01 normalcase bsd c05|content-inner||